Conmebol rejeita adiar jogos da Libertadores por COVID-19 e aplicará WO se for necessário

Em decisão polêmica nesta quinta-feira (13), a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) em reunião do Conselho, optou por não adiar partidas da Libertadores ou da Sul-Americana. Essa regra se aplicará mesmo se os times tiverem muitos casos confirmados de Covid-19. A equipe que não se apresentar perderá por WO (vitória dada a uma equipe quando o adversário não se apresenta para competir).

Publicidade

O motivo justificado aos membros do conselho é de não haver datas para reagendamento dos jogos, diferente da postura adotada pela CBF no Campeonato Brasileiro, que tem uma janela maior do que a Conmebol para ajustar partidas até fevereiro de 2021.

Em contra partida, foi decidido também por aumentar o número de inscritos de 30 para 40 nos torneios sul-americanos, com intuito de não faltar jogadores nas equipes e evitar reclamações e pedidos de adiamento das partidas. A entidade elaborou também um guia médico que determina que sejam feitos exames de PCR em toda delegação 24 horas antes das partidas. No guia também existem instruções para viagens, sendo que a Conmebol liberará dinheiro para ajudar que as equipes fretem aviões.

Caso algum país feche a fronteira e uma equipe não possa entrar para disputar a partida, a Conmebol decidiu que será obrigação do mandante marcar a partida para outra nação. Todavia esta possibilidade é vista como remota pela entidade, que está em contato com as autoridades locais para abrir exceções sanitárias às delegações que viajarem para jogar a Sul-Americana ou a Libertadores.

Vale lembrar que as duas competições já possuem data para retorno. A Libertadores tem previsão de volta em 15/09, com 7 clubes brasileiros (Flamengo, Palmeiras, São Paulo, Santos, Grêmio, Inter e Athletico). Já a Sul-Americana, retorna no fim de outubro com e conta com dois clubes do Brasil (Vasco e Bahia).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo