Passada a euforia do título Paulista, o que esperar do Palmeiras nos outros campeonatos?

Nós, torcedores do Palmeiras, certamente ficamos felizes com a conquista do título do Campeonato Paulista em cima do nosso principal rival. Mas todos sabemos que ainda temos coisas para melhorar no time, se quisermos alçarmos vôos mais altos nesta temporada.

Publicidade

O fim do jejum de 12 anos sem vencer o Paulistão trouxe novidades interessantes no elenco alviverde e que certamente renderão frutos maiores no futuro, como os gatoros Patrick de Paula e Gabriel Menino.

Os dois jovens ganharam a titularidade após a retomada das competições e se caracterizam, junto com Weverton, com as principais figuras do título Paulista. Além da qualidade técnica que agradou a torcida, os dois jovens também suprem duas necessidades do elenco alviverde: chutes de fora da área e cobranças de falta.

Por falar em Weverton, mesmo após a falha no gol da partida contra o Corinthians, ainda na fase de grupos, o goleiro mostra que tem credenciais para justificar sua constante ida à Seleção Brasileira. Joga muito bem com os pés, evita rebotes desnecessários e tem um reflexo admirável.

Um outro aspecto muito positivo da campanha foi a utilização mais intensa da base do clube pelo técnico Vanderlei Luxemburgo. Além de Patrick de Paula e Gabriel Menino, Luxa também deu oportunidades aos atacantes Wesley e Gabriel Veron, sendo que se não fosse uma lesão, Veron teria grandes chances de ser titular após a saída de Dudu.

Falando de coisas boas, também podemos mencionar a evolução do sistema defensivo. Mesmo com o pênalti infantil comentido por Gomez na final, não dá pra negar que a sinergia entre o paraguaio e Felipe Melo está ainda melhor. Isso sem contar os laterais Marcos Rocha e Viña, que também tiveram boas atuações no Paulistão.

Pontos que precisam ser melhorados

Mas nem tudo são flores. Do meio pra frente o time ainda sofre com problemas de criatividade e falta de agressividade. Luiz Adriano por muitas vezes fica isolado esperando uma bola para tentar a finalização. Rony ainda não mostrou o futebol esperado e o trio de meio campistas Bruno Henrique, Gustavo Scarpa e Lucas Lima, parece que se conformou com o banco de reservas.

Em muitas situações antes da pandemia, Dudu era o cara que improvisava jogadas e desestabilizava o sistema defensivo adversário, abrindo espaço para os outros companheiros de ataque.

Com o retorno de Veron ao time, existe a possibilidade de parte deste problema ser resolvido. O jovem de 17 anos é um bom driblador e é um jogador vertical, que parte pra cima da defesa dos adversários.

Mas ainda precisamos resolver a questão do meio-campista armador. Precisamos de alguém que faça o trabalho de criação das jogadas de ataque. Não podemos ter apenas como estratégia de jogo ligação direta da defesa para os atacantes de beirada do campo. É um modelo de jogo previsível e facilmente mapeado.

Para esta necessidade eu particularmente só vejo três opções, dado que ir ao mercado é uma possibilidade praticamente nula neste momento de crise:

1- Utilizar mais algum atleta da base para esta função.

2- Resgatar o bom futebol dos meio-campistas que estão no banco.

3- Ajustar o esquema tático para não ter a necessidade de um clássico meio-campista armador.

Embora tenhamos pontos a melhorar, certamente vamos mais confiantes para as outras competições. Ganhar o primeiro título do ano é importante para embalar o elenco e assim conseguir vôos maiores durante a temporada.

E sim, se ajustarmos o time do meio pra frente, dá pra ganhar tudo o que disputarmos!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo